Acusados de piratear apps Android declaram-se culpados

Dois acusados de participação um grupo de pirataria de aplicativos Android declaram-se culpados por violação de direitos autorais. Segundo o Departamento de Justiça Norte-Americano são as primeiras confissões por […]

Dois acusados de participação um grupo de pirataria de aplicativos Android declaram-se culpados por violação de direitos autorais. Segundo o Departamento de Justiça Norte-Americano são as primeiras confissões por distribuição ilegal de aplicativos no país.

Nicholas Narbone, 26, e Thomas Dye, 21, faziam parte do grupo de pirataria AppBucket. Estima-se que o grupo distribuiu um milhão de aplicativos pirateados de agosto de 2010 até agosto de 2012. Os promotores responsáveis pelo caso celebraram a confissão “Esses homens pisaram nos direitos de propriedade intelectual de terceiros", afirmou o procurador David A. O'Neil. 

Além do AppBucket, o FBI fechou a SnappzMarket. Ambas funcionavam como um mercado alternativo a Play Store do Google e ofereciam, gratuitamente, versões piratas de aplicativos pagos. O que surpreende é o fato da loja oferecer características semelhantes a da loja oficial, como busca, lista de apps mais baixados e atualizações automáticas.

"A violação de direitos autorais desencoraja pessoas inteligentes e inovadoras de usar seus talentos para criar coisas que o resto da sociedade pode desfrutar", afirmou o advogado Sally Quillian Yates. "Roubo é roubo – seja a propriedade tangível ou intelectual – e vamos continuar perseguindo aqueles que roubam material protegido".

A justiça dos EUA estima que o prejuízo gerado pela atividade destas lojas soma US $ 700.000 (cerca de R$ 1,6 milhão). O julgamento de Nalbone deve acontecer no dia 8 de julho, o de Dye será no dia 12 de junho. Ambos devem ser sentenciados a cinco anos de prisão.