rp_brasil-ciber_2014-04-23.jpg

Brasil é estratégico no combate ao crime virtual

Campinas ganhou um escritório da RSA para o combate aos cibercrimes no Brasil e no resto do continente. O projeto já rendeu bons resultados. Confira.

Brasil ganha escritório contra o cibercrimes

Campinas, no estado de São Paulo, recebeu o terceiro escritório da RSA, divisão de segurança da multinacional EMC, depois de Estados Unidos e Israel. O Brasil é considerado estratégico no combate ao crime virtual e é a origem de grande parte dos ataques cibernéticos financeiros mundiais, ficando à frente do Leste Europeu, principal destino dos valores monetários desviados. A equipe brasileira ficará responsável por monitorar e reportar fraudes na América Latina e traçar o perfil dos criminosos do continente.

São 150 colaboradores, divididos em três grupos (antifraude, inteligência e pesquisa), trabalhando incansavelmente para combater o cibercrime, 24 horas por dia. A companhia já combateu 800 mil ataques em 187 países. No Brasil, pesquisa e inteligência são responsáveis respectivamente por controle de ameaças anti-trojan e reconhecimento de mensagens de fraudadores na deep web.

Resultados do RSA de Campinas

Os primeiros resultados da equipe de Campinas já são conhecidos. Foram descobertas: uma loja oferecendo uma lista com mais de 60 mil números de cartões de crédito da América Latina, que era atualizada diariamente; páginas para a prática de phishing; e compartilhamento gratuito de geradores de números de cartões que crédito, usados para realizar compras online em lojas que não validam o número do cartão no momento da compra, incluindo uma lista de endereços virtuais destas lojas.

Estimativa mundial de 2013 sugere perdas de US$ 5,9 bilhões, causadas por 450 mil ataques online. Na região, Brasil e Colômbia liberam o ranking de países alvo de phishing e, com 39% dos crimes praticados na região, o País teve perdas de US$ 86 milhões.