rp_proetcao-computador_2014-06-11.jpg

Brasil tem 22 milhões de vítimas de golpes virtuais

Brasil tem mais de 22 milhões de vitimas em golpes feitos por hackers. Não seja mais uma, saiba como se proteger!

O Brasil tem mais de 100 milhões de usuários de internet e aproximadamente 20% deles já foi vítima de um golpe virtual somente no último ano. Isso é o que aponta um relatório desenvolvido pela Symantec. Segundo o estudo, o total de pessoas que sofreram com os crimes virtuais nos últimos 12 meses no país já chega a 22 milhões de pessoas. O custo dos cibercrimes para os cofres brasileiros atingiu a marca de R$ 18 bilhões, cerca de 50% a mais do que o registrado nos 12 meses anteriores à pesquisa.

De acordo com a Symantec, o que ocasionou o aumento no número dos golpes são as falhas de segurança em smartphones, tablets e outros dispositivos móveis. Estes equipamentos estão sendo utilizados por 49% dos internautas, tanto para trabalho como para lazer, e este fato está fazendo com que hackers e crackers direcionem os seus ataques para estes dispositivos. A pesquisa ainda ressalta que 57% das pessoas que utilizam smartphone já foram vítimas de algum golpe realizado através de mobile.

O motivo dos ataques é a falta de consciência sobre a segurança digital em dispositivos móveis. Segundo o estudo, muitos usuários têm cuidado ao acessar a internet em seus computadores pessoais, mas não tomam as mesmas precauções quando o ambiente torna-se um dispositivo móvel.

 

Outros dados

O relatório feito pela Symantec aponta outros dados preocupantes para a segurança digital dos brasileiros. Nos últimos 12 meses, 45% dos adultos foram vítimas de golpes virtuais ou tiveram atitudes de risco. Além disso, 39% das pessoas que utilizam smartphones não deletam e-mails suspeitos de serem maliciosos.

Outro comportamento de risco é o fato de 33% dos usuários de internet não fazerem o logoff depois de acessarem redes sociais e e-mail e outros 31% conectarem-se com pessoas que não conhecem. A pesquisa ainda informou que 61% dos adultos acessam redes wi-fi inseguras e/ou públicas.

O dado positivo é que 49% das pessoas que usam smartphones e 61% dos usuários de tablets têm antivírus em seus dispositivos móveis.