accessibilidade

Como os tablets podem melhorar a rotina de deficientes visuais

Descubra funções superbacanas no tablet que conectam ainda mais facilmente os deficientes visuais ao mundo da tecnologia!

Pelo seu tamanho, funcionalidades e praticidade, os tablets servem para quase tudo no seu dia-a-dia. Eles ajudam as pessoas a executarem tarefas simples e complexas de acordo com as demandas e rotina de cada um. Mas será que elas atendem mesmo a todas as pessoas? O legal é que algumas dessas funções têm se desenvolvido e já auxiliam deficientes visuais, por exemplo, a utilizarem os tablets para ficarem conectados no mundo virtual.

Mas como é possível entender o que está na tela sem conseguir enxergar? Uma das tecnologias mais utilizadas em apps voltados para deficientes visuais é a de identificação de display por voz. Aplicativos como o CPqD Alcance são bastante úteis para funções como essas. O usuário desliza o dedo pela tela e o programa vai informando em áudio qual opção do aparelho ele está segurando. E o melhor? Totalmente em português brasileiro.

Além disso, outra questão bastante pesquisada é a forma de comunicação. Existem diversas ferramentas para permitir que o deficiente visual escreva no seu tablet. O clássico comando de ditar as palavras para que o dispositivo escreva sozinho ainda é o mais utilizado, mas algumas formas alternativas foram criadas para realizar essa tarefa. É o exemplo do “Touchscreen Braille Writer” desenvolvido pela universidade americana de Stanford. Ele permite que os usuários escrevam em braille a partir da tela do próprio tablet, utilizando apenas 8 comandos simples. Dependendo de onde o usuário toca, ele faz diferentes combinações de palavras em braille.

Outros apps bem úteis são aqueles que simplificam tarefas cotidianas. O LookTel Money Reader, por exemplo, identifica cédulas de dinheiro com a câmera do seu aparelho e informa qual é a moeda é o seu valor. Além dele, o Bus Alert informa detalhes sobre linhas de ônibus e distância até o ponto mais próximo. Ele é gratuito e em português, entretanto seus recursos ainda são limitados para apenas algumas cidades.

Sem ser exatamente um aplicativo, o site GARI (Global Accessibility Reporting Initiative) também traz ótimas sugestões de aplicativos e aparelhos para pessoas com deficiência, permitindo a escolha do tipo de situação especial e a preferência por marca e sistema operacional.

Conhece alguma outra função bacana nesse sentido? Ficou interessado por alguma maneira inovadora de interação? Deixe sua opinião nos comentários!