rp_3D-impressora-comida_2014-07-28.jpg

EUA podem usar impressora 3D para alimentar seus soldados

A 3D Systems, por exemplo, criou uma linha de impressoras chamada ChefJet. Elas são capazes de imprimir pequenos e grandes objetos comestíveis.

Impressão em 3D já é uma realidade. Tanto que, nos últimos dois anos, ela evoluiu e o mundo acompanha a criação de impressoras de comida. Sim, elas criam refeições reais! Por isso, o exército dos Estados Unidos está pensando em adotar a tecnologia para alimentar seus soldados em campos de batalha.

A 3D Systems, por exemplo, criou uma linha de impressoras chamada ChefJet. Elas são capazes de imprimir pequenos e grandes objetos comestíveis. Essas máquinas foram feitas com objetivo de auxiliar confeiteiros profissionais e padarias. Mas, com o preço em cerca de US$ 5 mil, muita gente está comprando para ter em casa.

O Centro de Pesquisas, Desenvolvimento e Engenharia do Soldado de Natick (NSRDEC) é quem está de olho na impressão de comidas para servir os soldados norte-americanos. Pesquisadores já buscam soluções para adaptar essas máquinas ao exército.

“Estamos avançando conforme necessário para tornar as impressoras adequadas para as necessidades militares de alimentação em campo. Vamos fazer o que pudermos para deixá-las adequadas a ações militares e comerciais”, afirmou Lauren Oleksyk, tecnólogo de alimentos e líder da equipe de pesquisadores.

Recentemente, representantes da NSRDEC se reuniram com pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) para discutir o assunto e levar a tecnologia até as tropas.

“Isso poderia reduzir custos, pois a impressora seria usada para produzir  alimentos de acordo com a demanda. Por exemplo, se você quer um sanduíche, você irá imprimir somente ele, eliminando o desperdício”, explica Oleksyk.

A impressão 3D também permitiria a personalização de necessidades específicas. O soldado pode ter uma refeição completa que lhe fornecerá os nutrientes exatos que precisa naquele momento.

“Se você está carente de um nutriente, pode adicioná-lo. Se a falta for de proteína, pode acrescentar carne numa pizza”, diz Oleksyk.

Independentemente do exército norte-americano, as técnicas de impressão de comida em 3D certamente terão um espaço importante no mundo, num futuro não muito distante. Restaurantes, instituições culinárias, padarias e até mesmo nossas casas poderão contar com esse serviço.