rp_intel_2014-07-02.jpg

Conheça o app da Intel que é capaz de captar expressões faciais

A Intel está entrando de vez no mundo das mensagens instantâneas com um app capaz de reconhecer a face do usuário. Entenda!

Empresa abre concorrência com apps de mensageria instantânea

Intel chega ao mercado de mensagens instantâneas

Depois de ficar para trás na criação de tablets e smartphones, a Intel está entrando de vez no mundo das mensagens instantâneas, tentando ficar à frente de concorrentes ao menos neste setor.

Pensando nisso, a empresa lançou o aplicativo Pocket Avatars. Ele usa tecnologia de rastreamento facial para fazer uma caricatura e transformar o remetente num emoticon.

A novidade foi apresentada em junho por Mike Bell, um executivo sênior da empresa, cujo trabalho é justamente se certificar de que a companhia está em vantagem em relação à concorrência em tendências tecnológicas.

O aplicativo usa a câmera do smartphone e microfone para gravar uma mensagem curta, enquanto o mapeamento de expressões faciais age em união com um dos vários personagens de desenhos animados. Após um rápido processo, a mensagem é enviada para o destinatário, já totalmente personalizada.

Inicialmente, mais de 40 avatares são oferecidos por meio de uma biblioteca do app. Novos personagens serão adicionados regularmente. Muitos são gratuitos, mas alguns precisam ser comprados pelo preço de US$ 0,99.

Os usuários também podem enviar texto padrão pelo aplicativo para uma experiência abrangente de chat. O app, por enquanto, está disponível para download gratuito apenas na App Store e no Google Play, nos Estados Unidos e Canadá.

Mike Bell descreveu o aplicativo como uma forma de demonstrar a tecnologia de monitoramento facial que pode aparecer em futuras plataformas da Intel, como laptops ou tablets.

“Ao invés de deixar esse projeto em um laboratório definhando, nós pensamos que seria legal mostrá-lo às pessoas'", disse Bell em uma entrevista recente. Ele completa: "O aplicativo é divertido e fácil de usar, mas realmente foi difícil produzi-lo nos bastidores”.