Mercado de smartphones perde fôlego de crescimento

Maturidade do setor em países ricos, crise por aqui e desaceleração da China são algumas das razões para o resultado mais modesto esperado para 2015.

As vendas de smartphones na China caíram. A queda de 4% no segundo trimestre deste ano em comparação com o ano passado é histórica no gigante asiático. É o primeiro resultado negativo na comparação ano-ano, segundo publicou a Gartner, na última quinta-feira.

A China atingiu a saturação observada nos países ricos e seu mercado de smartphones é sustentado pela substituição dos aparelhos. São menos compradores novos, o que faz com que o ritmo diminua. Ainda assim, a China representou 30% das vendas mundiais no período.

Desde 2013, o ritmo de crescimento do mercado mundial vem desacelerando. O último lançamento da Apple, os iPhones 6, fizeram a participação da empresa crescer no mundo e ajudaram a sustentar o incremento de aparelhos a nível global. Já a Samsung viu sua participação de mercado cair de 26,2% para 21,9%. Enquanto a Apple avançou de 12,2% para 14,6%.

No ano passado foram vendidos 1.283,5 milhões de smartphones no mundo, mais de um bilhão rodando com o sistema operacional Android. Enquanto boa parte das empresas viu sua participação diminuir no setor, Huawei e Apple viram sua penetração melhorar, muito em função dos seus desempenhos na desacelerada China.

A linha 6 da Apple bateu recordes de venda na China e a Huawei viu suas vendas aumentarem em função de modelos compatíveis com a velocidade de conexão 4G naquele país.

Brasil também engata marcha à ré

Não, o mercado de smartphones não acompanhará a retração da economia, mas o ritmo de crescimento será fortemente afetado pela crise econômica no Brasil. Se de 2013 para 2014 o segmento no País cresceu 55%, com 54,5 milhões de novos smartphones habilitados. De 2014 para 2015, esse percentual de crescimento não deverá ultrapassar os 16%, com projeção de vendas de 63,3 milhões de novos celulares inteligentes – podendo ser revisto para menos.

Os números do mercado nacional de smartphones são resultado de uma pesquisa da consultoria de Telecomunicações IDC, que prevê a sustentação do crescimento nacional ancorado em aparelhos de gama média e os de conexão 4G. Com a alta do dólar, os fabricantes terão que investir em argumentos que convençam a quem tem aparelhos de média e baixa gamas trocarem os modelos por smartphones mais robustos.

O segundo trimestre não foi bom, com recuo de vendas mesmo com o Dia das Mães e o Dia dos Namorados. As quedas de abril (1%) e maio (16%) deverão ser refletidas no resultado do trimestre, com previsão de retração de 12% em relação ao mesmo período do ano passado. Agora é esperar o resultado da Black Friday nacional, que deverá ter muitas promoções por conta do alto volume em estoque nas operadoras e fabricantes de smartphones.

Nas vendas totais de celulares, quando considerados os modelos smarts e os funcionais, o Brasil é hoje o quarto mercado do mundo, atrás de China, Estados Unidos e Índia. Quando são levados em conta apenas os smartphones, o Brasil é o 10º colocado mundial. Outros dados curiosos sobre o País: o Brasil fechou 2014 com 152 milhões de computadores e 154 milhões de smartphones, com os celulares ultrapassando os PCs pela primeira vez. Em 2015, os tablets responderão pela metade do número de vendas de PCs por aqui, com 11 milhões de unidades comercializadas.

Mesmo com as retrações projetadas para China e Brasil, o resultado mundial ainda será positivo, já que outras economias deverão pressionar os números positivamente, como Índia e África do Sul.