rp_anticoncepcional_2014-07-18.jpg

Microchip contraceptivo deve chegar ao mercado em 2018

Medicina e tecnologia caminham juntas e trazem diversos benefícios para a população. Conheça o contraceptivo em chip!

Medicina e Tecnologia avançam juntas e população terá diversos novos benefícios num curto espaço de tempo.

Pílula pode desaparecer do mercado e ir parar no museu

Conheça o contraceptivo em chip:

Um anticoncepcional em forma de chip, que pode ser implantado sob a pele das mulheres, está sendo desenvolvido pela empresa norte-americana MicroCHIPS com previsão de chegar ao mercado em 2018. A grande inovação é que ele pode ser controlado remotamente.

O chip, de apenas 20mm x 20mm x 7mm, deverá ser implantado por baixo da pele em regiões como abdômen ou braço. O dispositivo contém um pequeno reservatório do hormônio levonorgestrel, já utilizado em alguns anticoncepcionais e na pílula do dia seguinte.

O chip solta 30mcg da substância por dia e seu efeito pode durar até 16 anos no organismo feminino. Uma minúscula bateria libera uma corrente elétrica para que o medicamento seja distribuído no corpo da usuária.

Quando a mulher quiser engravidar, basta desativar o chip por controle remoto via wireless. Não há necessidade de remoção do chip do corpo da mulher antes de 16 anos de uso. Em comparação, os implantes subdérmicos atuais duram, no máximo, 5 anos.

Com os comandos, será possível desativar o contraceptivo e ativá-lo com poucos cliques. Isso também será interessante para que médicos possam reajustar a dosagem liberada no corpo da paciente sem que seja preciso  realizar uma intervenção cirúrgica.

Embora alguns críticos do dispositivo estejam preocupados com a ação de hackers, o presidente da MicroCHIPS, Robert Farra, afirma que a comunicação entre o controle remoto e o chip, além de ser encriptada, tem de ocorrer à distância do contato com a pele. Por isso, ninguém que esteja no mesmo ambiente conseguirá reprogramar o seu implante.