Obama se posiciona sobre briga entre Apple e FBI

Presidente dos EUA falou abertamente sobre o caso e deixou subentendido sua opinião. Confira!

O caso envolvendo a discussão entre Apple e FBI é um dos assuntos mais recorrentes das notícias de tecnologia e também da rodas de política e direitos humanos. No evento South By Southwest (SXSW), o presidente norte-americano Barack Obama foi o mais novo personagem a falar sobre a história. Mesmo sem definir uma posição oficial, Obama problematizou a questão e indicou qual seria seu lado na história.

Leia também: Privacidade dos usuários x criminosos. Qual o limite da justiça?

Em seu discurso – que foi muito mais focado em inovação – Obama citou o caso e comparou-o a rotinas de segurança adotadas em outros locais da sociedade. Para o presidente, caso não existissem os aparelhos, a polícia só precisaria de um mandado para investigar a casa de um suspeito de sequestro e todos os seus pertences pessoais. Mesmo sendo isso uma “quebra de privacidade”, Obama reiterou que a investigação não seria infundada e que serviria para garantir a segurança de toda a comunidade.

Além disso, o presidente democrata questionou as intenções das empresas de tecnologia em criar sistemas impenetráveis. Segundo ele, isso permitiria que criminosos possam se comunicar e planejar seus crimes com a certeza de que passarão despercebidos pelos monitoramentos virtuais. Mas, independente do lado da história, ele lembrou também que é preciso bom senso e que todos precisam ter cuidado para não se tornarem “absolutistas” em relação às suas opiniões.

Essa não é a primeira vez que uma figura importante da política norte-americana se posiciona sobre a questão. No mês passado, o candidato à presidência pelo Partido Republicano Donald Trump também declarou sua opinião. Para Trump, a solução é muito simples: “Boicote contra a Apple!”. O candidato sugeriu que os consumidores deixassem de comprar produtos da empresa da maçã até que ela liberasse as informações do iPhone do suspeito de terrorismo.

Concorda com Obama? Discorda? Deixe sua opinião nos comentários!