rp_gigante-internet_2014-09-23.jpg

Os gigantes de tecnologia e seus principais serviços

Veja como os gigantes ficam ainda maiores para competir em diversos mercados e segmentos

Você sabia que a Microsoft tem um portal de notícias? Ou que a Amazon, além de ser destaque em e-commerce, é uma das líderes em cloud computing? A maioria das gigantes de tecnologia tem uma série de serviços que, em alguns casos, não necessariamente está ligado ao produto principal – como no caso da Amazon, por exemplo. Confira os principais serviços de algumas das maiores empresas tech do mundo.

Apple

Em 2003, quando a indústria fonográfica estava desacreditada graças à pirataria, a Apple criou um sistema para vender músicas, que no início foi desacreditado. No entanto, a iTunes Music Store teve um começo arrebatador. Em três anos, foram mais de 1,5 bilhão de músicas vendidas, provando que comercializar música na internet era rentável.

O modelo de sucesso do iTunes foi usado como exemplo para o que posteriormente daria origem a loja de aplicativos App Store. Hoje, além de músicas, a iTunes vende livros, programas de TV e até filmes.

Com a compra da Beats, em maio deste ano, outro serviço de música foi incorporado ao portfólio da empresa. Com esta aquisição, a Apple entra de vez no mercado de streaming para competir com outros serviços como Deezer e Spotfy. A empresa conta ainda com o iCloud, como próprio sistema de nuvem.

Microsoft

A Microsoft é conhecida principalmente pelo Windows e pela suíte Office, mas também tem uma gama de outros serviços para os usuários. A começar pelo portal MSN. A ideia é boa: quando o usuário vai acessar seu e-mail, dá uma olhada nas notícias mais importantes do dia, e a Microsoft, de quebra, aproveita para faturar com publicidade.

Outro serviço de destaque da empresa é o Bing. O buscador que chegou para desbancar o Google foi muito criticado no início, mas, com as constantes melhorias, já é o segundo mais utilizado no mundo. Isso sem falar do Skype e do Outlook, que também são da empresa.

A gigante de Redmond também conta com dois serviços de nuvem. O OneDrive, voltado para armazenamento de arquivos, é um dos que mais dão espaço para o usuários, cerca de 15GB. Já o Azure é utilizado por empresas para criação de aplicativos, hospedagem de sites e testes em máquinas virtuais.

Facebook

Alguém tem dúvida que o Mark Zuckerberg quer dominar o mundo? Para isso, o Facebook investe alto na compra de concorrentes. Desde 2005, foram mais de 45 aquisições, entre elas alguns sites de peso. Os mais famosos são o Instagram, com 150 milhões de usuários, e o Whatsapp, com meio bilhão de usuários.

Amazon

Não é só por ter um dos maiores e-commerces do mundo que a Amazon é conhecida. Além dos Kindles, da livraria online de livros físicos e e-books – que já estão disponíveis no mercado brasileiro – a Amazon mantém um dos maiores serviços de nuvem corporativa do mundo. A Amazon AWS tem entre os clientes NASA, Netflix, Pinterest e Rede Globo.

Ainda completa o portfólio da empresa um dos sites mais promissores dos últimos tempos. O Twitch.tv foi comprado pela Amazon recentemente por cerca de US$ 1 bilhão.  O site de streaming de gameplay tem uma audiência superior a muitos canais de TV a cabo dos EUA, desbancando até mesmo os tradicionais como CNN e MTV.

Twitter

O microblog que tem contribuído para revoluções e queda de ditadores mundo afora, não chega a fazer tantas aquisições ou ter outros serviços como seus concorrentes. O principal deles é o Vine, com 40 milhões de usuários. O site de vídeos curtos é uma verdadeira febre entre os mais jovens, principalmente pelas cenas engraçadas e pegadinhas. Além disso, a plataforma de blogs Medium é criação de um dos sócios do Twitter.

Google

O Google é uma verdadeira máquina de criar e comprar serviços para os usuários como Gmail, YouTube, Google Search, Maps e Blogger, só para citar os mais comuns, mas alguns deles não estão dando muito certo como no caso do Wave ou Google Vídeos. Mas, em compensação, os sistemas de publicidade Adwords e o de monetização de sites Adsense têm sido considerados os preferidos dos anunciantes e criadores de conteúdo.