Para Microsoft, assistente pessoal é o futuro da tecnologia

Inteligência artificial vai nos poupar de usar o smartphone a todo instante

Viver conectado é tão bom que vicia.  Satya Nadella, CEO da Microsoft, concorda com a afirmação e alerta: é preciso ter cuidado com os efeitos do mau uso da tecnologia. Em recente entrevista para o Business Insider, um site de notícias norte-americano, o executivo falou sobre a sede de informação, o vício da conectividade e as tendências de mercado que tentam solucionar esses problemas.

Leia mais: Não tira o olho do celular? Esse vício tem nome: nomofobia

Para Satya, o uso da inteligência artificial para aprimorar a utilidade dos assistentes virtuais é a tendência da vez. A ideia é que a gente precise interferir cada vez menos nos nossos smartphones para que eles se tornem ainda mais úteis. Quer um exemplo? Num futuro não muito distante, se você se atrasar para um compromisso, um aplicativo poderá perceber a situação e alertar as pessoas certas sobre o imprevisto, evitando que você use o telefone enquanto dirige.

Antecipando tendências

Desde que começamos a trabalhar nas ideias que dariam corpo à versão 3.0 do PSafe Total, ainda em 2015, temos pensado na ideia de criar soluções capazes de poupar você do trabalho de manter o Android leve, rápido e seguro. Para nós, a ideia de assistente é o que nos permite criar algo capaz de fazer você se preocupar menos e curtir mais o que a vida digital tem de melhor: papo, fotos, música, tranquilidade e conveniência.

Leia mais: Nos EUA, andar distraído com celular na rua pode dar cadeia

Empresas de tecnologia tem de estar aptas a responder rapidamente às necessidades das pessoas — como no próprio caso da Microsoft, que desenvolveu a Cortana para ajudar as pessoas nas suas tarefas no Windows 10 e no Windows Phone 8.1. As novidades do mercado não negam: o futuro é mesmo dos assistentes pessoais.