rp_ingresso-copa-mundo_2014-06-16.jpg

Polícia prende cambistas vendendo ingressos para a Copa do Mundo no Facebook

Seis cambistas já foram presos desde que a Copa do Mundo começou. A procura pelos ingressos esgotados tem sido principalmente por páginas no Facebook.

Apesar de a Copa do Mundo já ter começado, a busca por ingresso ainda continua. Torcedores que não conseguiram comprar entradas durante as etapas de venda no site da FIFA agora buscam mercados paralelos, principalmente na internet. Algumas comunidades e sites criados na rede oferecem ingressos com preços muito salgados. O ágio chega a 4.200%.

Para tentar conter a ação dos cambistas virtuais, a Polícia Civil e a FIFA estão investigando de perto sites como liveworldcup2014tickets.com e ticketbis.net e páginas criadas no Facebook. Os policiais já prenderam seis pessoas. Foram recuperados 32 ingressos. Segundo a Polícia Civil, boa parte das pessoas que estão revendendo ingressos é constituída por cambistas eventuais, que não vivem da prática, mas viram uma oportunidade de ganhar dinheiro.

Primeiros cambistas são presos no Brasil vendendo ingressos da Copa do Mundo

A maioria dos presos fazia parte da comunidade “Ingressos Copa do Mundo 2014”, que foi fechada e possuía mais de 21 mil membros inscritos. Agentes da Delegacia de Apoio ao Turista (Deat) e Delegacia do Consumidor (Decon) se passaram por consumidores e negociaram com cambistas para fazer as prisões. Um cambista era o argentino Germán Coll, preso em Copacabana, no Rio de Janeiro, que oferecia ingressos para dois jogos no Maracanã, entre Argentina e Bósnia, e Espanha e Chile, por R$ 1,3 mil. O valor original de cada entrada era R$ 30.

Entre os detidos, também estavam uma estudante da PUC-Rio e um engenheiro de Petróleo e Gás. Todos serão indiciados pelo crime de cambismo, previsto no artigo 41F do Estatuto do Torcedor (Lei 10.671/2003). Além de multa, a pena pode chegar a dois anos de prisão. Os ingressos recuperados serão disponibilizados para venda novamente no site da FIFA. A empresa Match, responsável pelas vendas oficiais de ingressos para a Copa, está tentando retirar do ar estas comunidades e sites.

Além da venda ilegal de entradas para a Copa do Mundo, a polícia também está investigando outros golpes. Agentes da Delegacia de Repressão a Crimes de Internet (DRCI) detectaram fraudes através do golpe conhecido como phising. Nele, um e-mail é enviado para o internauta informando que ele teria vencido uma promoção (o prêmio seria um par de ingressos para a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014) e pedindo para o suposto vencedor clicar em um link para imprimir o ingresso. Neste momento um vírus é instalado no computador do internauta.

Outra prática combatida pela polícia é a falsa venda. Anúncios em sites de venda pela internet, como Bom Negócio e OLX, oferecem ingressos para os jogos da Copa. A vítima só percebe que o ingresso não existe após depositar o valor na conta do criminoso.