rp_mercado-de-trabalho_2014-07-03.jpg

Como lidar com a exposição profissional nas redes sociais

Para a maioria de nós, as redes sociais já fazem parte da vida real, então precisamos saber como nos comportar e lidar com a exposição profissional.

Para a maioria de nós, as redes sociais já fazem parte da vida real. Desde o Facebook até o Twitter, Linkedin ao Instagram, a linha entre o pessoal e o profissional foi apagada. A maioria das empresas utiliza as redes sociais para anunciar e promover. As redes sociais também podem impulsionar a profissionais que estão procurando um novo emprego, promovendo seu trabalho ou simplesmente fazendo negócios.

Segundo Michael Webster, VP Executivo para as Américas do Kelly Global Workforce, "as redes sociais está revolucionando rapidamente o processo de contratação porque ampliam o acesso a uma enorme lista de candidatos". E por isso, é cada vez mais importante estar atento aso perfis em redes sociais.

Dado o conhecimento de que a maioria dos recrutadores e os gerentes de contratação investigam a candidatos antes de lhes oferecer um lugar de trabalho, muitos recém graduados, profissionais que procuram trocar de postos de trabalho e inclusive altos executivos que sabem que seu trabalho será examinado, optam por restringir o acesso a seus perfis de redes sociais. Eliminar publicações com implicações sexuais, ou as fotos onde o sujeito aparece intoxicado, é um bom começo.

Eliminar a página é o mesmo que se tornar inescrutável, abrindo mão de muitas vantagens das redes sociais com relação a área profissional. Aumentar a privacidade e monitorar a página é uma melhor ideia. O Psafe Total para MAC, PC e dispositivos Android, por exemplo, ajudam às pessoas a não ser hackeadas e protegem sua informação.

Segundo Jennifer Beese do Sprout Social, "estudos atuais demonstram que o uso das redes sociais para a contratação é imperativo; 92 por cento das empresas utilizam plataformas como Facebook, Twitter e Linkedin para o recrutamento". Embora muitos diferenciam negócios de redes sociais, utilizar, por exemplo, Facebook para compartilhar fotos de seus filhos e Linkedin para fazer conexões profissionais, não há por que um indivíduo não pode usar ambas ao igual a uma empresa utiliza os dois. Como Beese acrescentou "66% das empresas utilizam Facebook e 54% das empresas utilizam Twitter," ambas as redes vistas principalmente como sociais.

As pessoas podem seguir algumas das mesmas diretrizes como empresas. A gente é o equilíbrio. Poucas publicações e outros se esquecerão do negócio em seu conjunto. Muitos aspirantes a promotores profissionais nas redes sociais criam uma página e a esquecem, assumindo que o trabalho está feito. Mas como qualquer outro tipo de publicidade, a promoção pessoal requer de constante trabalho. Inclusive depois de criar uma conta de redes sociais, o trabalho duro está por vir.

Entretanto, muita atividade nas redes sociais também pode arruinar inclusive o mas bem intencionado esforço. Segundo uma recente pesquisa do Linkedin, "Aprendemos que a gente exibe duas mentalidades muito diferentes quando se comprometem nas plataformas sociais – uma pessoal passiva 'para passar o tempo' e uma profissional ativa para ' investir tempo '. A investigação encontrou que a gente gasta mais de 3 vezes na parte pessoal de entretenimento em lugar de redes profissionais". Aqueles que esperam fazer conexões de negócios devem lembrar que a maioria das pessoas que visitam estes sites procuram entretenimento, não trabalho, assim, evite saturar muito suas páginas com conteúdo. Inclusive em redes profissionais como Linkedin, um excesso de atividade leva a outros a fugir de sua página.

Compartilhar progresso a nível pessoal aumenta a probabilidade de fazer conexões profissionais. Quem conhece ao indivíduo pessoalmente, assim não esteja familiarizado com os aspectos específicos de seu negócio, estará encantado em escutar e inclusive compartilhar esse sucesso. Em um mundo frequentemente muito caracterizado por abstrações e números, histórias pessoais humanizam aos profissionais nas redes sociais e os separam da multidão.                    

Ser excessivamente informal segue sendo um importante 'não o faça. ' Embora as redes sociais podem fomentar uma lassa, inclusive nos meios não profissionais, o indivíduo procurando fortalecer relações de negócios através destas redes deveria apresentar o mesmo tipo comportamento que alguém apresentaria no escritório. Qualquer referência, embora seja uma aparentemente positiva, tem consequências. Como escreve o Gerente do Reputation.com Michael Fertik em seu recente artigo do Linkedin, "Se engraçado, não se exiba," "simplesmente colocado, se publicar triunfos se exibindo cada vez… Lembre que uma vez que entra "contudo" com uma publicação, pode ser extraordinariamente difícil recuperar o controle de sua imagem pública".