rp_robo-china_2014-08-15.jpg

Restaurante chinês utiliza robôs para servir e preparar a comida

O uso de robôs é uma tendência crescente na China. Inaugurado na semana passada, um restaurante desse país tem empregados robóticos em seu staff.

Quem era criança na década de 90 vai lembrar dos Jetsons, o desenho dos estúdios Hanna-Barbera apresentava a rotina de uma família que vive no ano de 2062 e convive com revoluções tecnológicas como o carro voador e empregados robôs. Agora, parece que a ficção do desenho está se aproximando da nossa realidade.  

Inaugurado na semana passada, um restaurante na  província de Jiangsu – China tem empregados robóticos em seu staff. O estabelecimento é especializado na culinária local e serve pratos como verduras fritas e raviólis cozidos. Androides com pouco mais de um metrô servem e preparam a comida do local.

Segundo o dono do restaurante, Song Yugang, a ideia surgiu “quando sua filha lhe pediu um robô para não fazer mais as tarefas domésticas”.  Cada funcionário automatizado custou 40.000 yuanes (cerca de 6,500 dólares), o equivalente a um salário anual de um humano na mesma função.

Logo ao chegar o cliente é recepcionado por dois robôs que cumprimentam os clientes com muito entusiasmo. No saguão do estabelecimento, androides com pouco mais de um metro de altura servem os pedidos. Eles só podem se locomover por meio de trilhos e pedem licença as pessoas que atravessam o caminho. Já na cozinha, dois robôs fritam os quitutes da casa e outro se dedica a fazer os bolinhos.

Todos os funcionários robotizados compreendem 40 frases e precisam de duas horas na tomada para trabalhar cerca de seis horas.

Uso de robôs é uma tendência crescente no país

Muito utilizados em indústrias na montagem de eletrodomésticos, gadgets e carros, os robôs que desempenham uma só função estão substituindo os humanos que desempenhavam esse papel.

Mesmo que a China ainda apresente um dos menores salários do mundo, com uma moeda relativamente desvalorizada frente ao dólar, o aumento dos custos trabalhistas e projetos que visam à redução da jornada de trabalho e garantia de mais direitos ao trabalhador chinês têm encorajado empresários em busca de alternativas.

Este ano, a China ultrapassou o Japão, tornando-se o maior mercado consumidor de robôs indústrias no mundo.