malware-movel

Riscos de segurança móvel vão além dos vírus

Ameaças do universo digital de segurança móvel vão muito além dos vírus. Diferentes tipos de malwares representam riscos para os dispositivos tecnológicos

As ameaças do universo digital móvel vão muito além dos vírus. Diferentes tipos de malwares representam riscos para os dispositivos tecnológicos. E para colocar mais lenha na fogueira sobre a necessidade de proteção no smartphone, Richard Stallman, criador do Linux e pai do software livre, afirma que os próprios sistemas operacionais são malwares.

Ele não poupa ninguém e acusa diretamente Windows, OS X, iOS e Android de distribuírem seus sistemas operacionais com itens de malwares. A justificativa: os sistemas espionam os usuários e limitam sua capacidade de decisão.

Na sua coluna publicada no jornal The Guardian, ele afronta a Microsoft e afirma que a empresa avisa a NSA sobre suas brechas de vulnerabilidade de segurança antes mesmo de corrigí-las, a mesma manobra adotada pela Apple, segundo o especialista. E ainda critica a empresa da maçã por censurar apps.

E deixa uma pergunta no ar: podemos confiar nos softwares de empresas? No mesmo texto, Stallman acusa bonecas Barbie, smart TVs e Kindle de espionarem seus proprietários. E não poupa nem o software livre Android, por segundo ele, mascarar a possibilidade de desinstalação remota de aplicativos.

A solução? Abandonar os softwares de empresa e batalhar por sistemas livres.

Problemas de segurança Android

Com 99% dos vírus móveis desenvolvidos para Android, a taxa de infecção mundial beira 1% dos aparelhos. Aplicativos falsos maliciosos eram até pouco tempo uma realidade da Play Store. Agora, o Google desenvolveu sistema de proteção que detecta com maior agilidade e facilidade os apps falsos subidos à loja. A empresa precisa melhorar a reputação da Google Play.