rp_snapchat-dicover_2015-01-27-11-21-50.jpg

Snapchat lança Discover

Notícias com prazo de validade para você acompanhar só o que é mais novo, pronto para parar de se informar pelo Facebook?

Desde o seu lançamento, o Snapchat já previa ser mais que um APP de mensagens concorrente dos diversos outros existentes, como Whatsapp e Viber, buscava ser uma plataforma para empresas de mídia conversarem com a audiência jovem.

Após adiamentos, troca de nome e muitos rumores, o Snapchat lança nesta manhã o Discover, seleção de conteúdo multimídia de editores famosos, como CNN, ESPN, Vice, Yahoo News, National Geographic e Warner Music, que poderão ser descobertos por seus 100 milhões de usuários mensais dentro do APP.

A curadoria do espaço é feita por profissionais consagrados e do mais alto gabarito e artistas que desejam divulgar seus trabalhos. As notícias, seguindo o DNA do Snapchat, desaparecem em 24h para dar lugar a uma nova. Ontem é ontem, hoje é hoje. Nada de receber informação velha por conta de likes e shares em redes sociais. Será o fim das trolagens ou equívocos com matérias de 1900 e bolinha que brotam no top do seu feed e logo recebem dezenas de interações dos seus amigos?

Se o Facebook estava preocupado em manter o público mais jovem na rede, terá agora que se contentar em ser o canal de informação para os maiores de 50? O novo serviço do Snapchat, Discover, irá oferecer algo com a garantia de ser novo a cada dia. 

A ideia do Snapchat é fomentar a distribuição de conteúdo e rentabilizar o serviço com a venda de anúncios para os vídeos, fotos e artigos publicados na rede, dividindo esta receita com os criadores do conteúdo. Mas não está certo se cada canal/editor adotará uma estratégia diferente de entrada no APP.

O atrativo não é apenas a geração de receita publicitária, mas estar associado a uma startup muito bem avaliada no seu meio. Alguns editores recusaram os termos de acordo com a empresa de Evan Spiegel, mas muitos já fecharam parceria para oferecer novidades dentro do aplicativo, já que as chances de canibalização dos negócios originais são mínimas.

Apesar de os usuários já compartilharem conteúdo de terceiros no APP, mesmo que de forma personalizada, a questão é se os usuários do Snapchat irão querer ver seleção de conteúdo de empresas como a CNN.

O serviço encontra similaridade com os Grupos Abertos do Viber, comunidades geradoras de conteúdos temáticos, que buscam incrementar a audiência dentro do aplicativo. O Facebook que, antes de ser um portal de notícias, foi também um lugar para encontrar amigos e publicar estado de espírito, hoje volta seus esforços para ser uma potência em vídeo. E todo mundo volta suas atenções para o consumo de conteúdo.