rp_atleta-profissional_2014-10-30.jpg

Startup e bolsa do governo ajudam na preparação de atletas para 2016

É ou quer ser atleta profissional? Conheça as iniciativas online que podem te ajudar a conseguir seu objetivo

As Olimpíadas de 2016 no Rio estão chegando. Até lá, muitos atletas ainda vão correr atrás para se preparar da melhor maneira possível visando a disputa dos Jogos. O grande problema é encontrar, no Brasil, boas estruturas e, principalmente, patrocínio para o desenvolvimento da carreira.

Pensando nisso, a plataforma digital Atletas Brasil surgiu para tentar angariar fundos para os esportistas que se cadastram no site em busca de “padrinhos”.  Os atletas profissionais também contam com uma ajuda do governo, por meio do Bolsa Atleta, que surge como uma alternativa para o problema de incentivo ao esporte no país.

O governo brasileiro mantém, desde 2005, o maior programa de patrocínio individual de atletas no mundo. O público beneficiado são atletas de alto rendimento que obtêm bons resultados em competições nacionais e internacionais de sua modalidade.

O programa garante condições mínimas para que se dediquem, com exclusividade e tranquilidade, aos treinos e competições locais, sul-americanas, pan-americanas, mundiais, olímpicas e paralímpicas.

Desde 2012, com a Lei 12.395/11, é permitido que o candidato tenha outros patrocínios, o que possibilita que atletas consagrados possam ter a bolsa e, assim, contar com mais uma fonte de recurso para suas atividades.

As categorias da bolsa e como ela funciona

Atualmente, são cinco as categorias de bolsa oferecidas pelo Ministério do Esporte: Atleta de Base, Estudantil, Nacional, Internacional e Olímpico/Paralímpico. Para os atletas com reais chances de medalhas nos Jogos Rio 2016, o suporte financeiro é garantido pela categoria Atleta Pódio, para as modalidades individuais.

Os beneficiados pelo Bolsa Atleta recebem a ajuda durante um ano. O dinheiro é depositado em conta específica do atleta na Caixa Econômica Federal. A prioridade é para os que praticam esportes que compõem os programas dos Jogos Olímpicos e dos Jogos Paralímpicos.

Em seguida, o benefício se destina a atletas de modalidades chamadas não-olímpicas (que compõem o programa dos Jogos Pan-Americanos e outras que não fazem parte dessas competições).

O Bolsa Atleta atende atletas que tenham obtido bons resultados independentemente de sua condição econômica e sem necessidade de intermediários. Basta que cumpra os requisitos, mantenha-se treinando e competindo e alcance bons resultados nas competições qualificatórias indicadas pelas respectivas confederações. A principal prestação de contas do atleta ao governo e à sociedade é a obtenção de resultados expressivos nas disputas.

O programa federal inspirou alguns estados e municípios a instituir projetos semelhantes, o que foi um ganho para o esporte brasileiro. O programa passa por avaliação contínua e aperfeiçoamento constante visando a atender satisfatoriamente aos interessados e aos objetivos do esporte de alta performance no país.

Plataforma digital, uma esperança a mais

A internet também se tornou uma fonte de busca de patrocínios para quem quer chegar longe no esporte. A startup Atletas Brasil, criada em julho de 2014, é um canal web que busca aproximar atletas de patrocinadores e resolver a dificuldade em obter divulgação da maioria dos esportistas. A ferramenta faz parte do programa StartPB do Sebrae Paraíba, que tem como objetivo estruturar projetos e deixá-los prontos para crescer e ganhar mercado.

O diretor-executivo do Atletas Brasil, Fabio Bandeira de Mello, afirmou em entrevista recente que a ideia surgiu porque “apenas times de elite do futebol brasileiro e atletas extremamente renomados possuem espaço na mídia e conseguem apoio”. Mello explica que o Atletas Brasil fez uma pesquisa com centenas de atletas amadores e profissionais e constatou que “70% deles possuem dificuldade em conseguir divulgação e 92% relataram problemas para obter patrocínio”.

Fabio toca o projeto com a parceria de Simone Donata (administradora e atleta da Seleção Brasileira de Beach Handball), Nicodemos Cruz (especialista em web e novas tecnologias) e João Cleyton (programador).

Na plataforma, o atleta pode ter sua própria página oficial, com dados, histórico, fotos, vídeos, título, links de matérias na imprensa, entre outros, e ainda se cadastrar em, pelo menos, três diferentes formas para obter apoio financeiro e patrocínio.

Uma delas é o botão patrocinar nas páginas dos perfis, onde empresas, familiares, amigos e apaixonados por esporte podem contribuir com o atleta de sua escolha. A outra forma é a loja participativa, em que uma porcentagem do valor da venda de qualquer produto da loja Atletas Brasil é revertida ao esportista informado pelo comprador.

E uma terceira maneira de conseguir ajuda, que ainda será lançada, é o Financiamento Coletivo Esportivo. Nele, os atletas poderão expor projetos específicos e a necessidade financeira para implementá-los (participar de competição, conseguir equipamentos para o treino ou outro) e poderão receber colaborações dos internautas. O atleta, por sua vez, dará uma contrapartida, que pode ser um dia de treinamento ou outra forma criativa de agradecer aos seus patrocinadores.

Outra vantagem encontrada pelos atletas é a aproximação direta que com as empresas através da Lei de Incentivo ao Esporte. Pessoas físicas e jurídicas podem investir até 6% do que pagariam de Imposto de Renda em projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte.

Assessoria esportiva também ajuda empresas

O Atletas Brasil atua ainda no desenvolvimento de melhorias nas ações de marketing das empresas utilizando os atletas e o esporte como meio. Para isso, a plataforma transforma-se em um facilitador para patrocínios esportivos e para o desenvolvimento de estratégias com o intuito de fortalecer a marca, dar visibilidade, criar um elo maior com consumidores e gerar vendas.

Para isso, a startup conta com dois mecanismos de suporte às empresas. Um deles é através do acompanhamento para a entrada na Lei de Incentivo ao Esporte, na qual Pessoas Físicas (6%) e Pessoas Jurídicas (1%) podem investir parte do seu Imposto de Renda para financiar projetos de manifestação esportiva. Além do abatimento fiscal, com a entrada na Lei de Incentivo ao Esporte, as empresas podem expor sua marca no projeto beneficiado, é possível viabilizar ações de marketing e reforçar o posicionamento da responsabilidade social da empresa.

Os patrocinadores ainda ganham uma página exclusiva de "Patrocinador" no Atletas Brasil com o selo "Amigo do Atleta" que permite o preenchimento de dados sobre a empresa, além da indicação de quem ela patrocina na plataforma.