Você sabe como os cegos usam a internet?

Entenda como as plataformas on-line podem ser acessíveis a deficientes visuais também

Apesar do despreparo do mundo em lidar com deficientes visuais, eles  consomem conteúdo digital e usam WhatsApp, Snapchat, Facebook e outras redes sociais como todos. É claro que é preciso avançar muito no quesito acessibilidade, mas algumas empresas já estão investindo em Tecnologia Assistiva, que é justamente um arsenal de recursos e serviços para promover o acesso de deficientes no mundo on-line.

A Wikipédia anunciou nesta semana que trabalha em uma ferramenta de ditado para tornar o seu conteúdo mais inclusivo. A ideia é que todo o conteúdo da enciclopédia digital possa ser ouvido através de uma síntese de áudio, que deve ser lançada no início de 2017.

Leia também:
Realidade Virtual x Realidade Aumentada
App contra violência policial é arma para denúncias

Desde fevereiro passado, o Google Docs permite não só redigir, mas também editar e formatar textos via comando de voz. E há ainda alguns aplicativos como é o caso do Aipoly Vision. A ferramenta faz uma leitura de elementos através da câmera do celular e os descreve em um áudio para os usuários. Tem ainda o RunKeeper, que funciona com uma assistente que fala todos os detalhes sobre o exercício físico, além de contar com um GPS.

Os emojis, clássicos da internet, não ficam de fora. A Live Tim desenvolveu, recentemente, o Emoti Sounds, em colaboração com o Instituto Benjamin Constant. O recurso traz novas possibilidades para o leitor de tela, que, agora, reproduzirá o som de um beijo, em vez de dizer “Emoticon Beijo”, por exemplo, e assim por diante com as 68 imagens “traduzidas” pelo plugin. Dá uma olhada no vídeo e veja como funciona.

Muito legal, né? E você, conhece mais recursos como estes? Compartilhe com a gente. Internet é para todos!