Emilio Simoni
Diretor do dfndr lab
CARTA DO DIRETOR

A sexta edição do Relatório da Segurança Digital no Brasil retrata um cenário preocupante. No ano de 2018, estima-se que 46% de toda população Android no Brasil recebeu, acessou ou compartilhou links maliciosos, o que representa 60,4 milhões de potenciais vítimas em todo país. Cada usuário Android brasileiro foi, em média, vítima de 31 ataques. Seguindo a tendência dos relatórios anteriores, Phishing via app de mensagens foi a principal estratégia utilizada por cibercriminosos para disseminar links maliciosos em 2018, correspondendo a 49,6% do número de detecções realizadas. Ao todo, 29,9 milhões de brasileiros foram potenciais vítimas desse tipo de golpe.

O WhatsApp continua sendo a plataforma mais usada para disseminar ciberataques. No último ano, o mensageiro representou 64,1% do total de registros realizados pelo dfndr lab. O período também foi marcado pela forte tendência ao direcionamento de golpes para o público masculino. Em 2018, percebemos um aumento significativo de ataques que utilizavam temas relacionados a conteúdo adulto. Como resultado, registramos que 75% dos homens brasileiros receberam ou acessaram links maliciosos contra 25% das mulheres.

Entre os três ciberataques mais populares em 2018, dois usavam temas de conteúdo adulto para atrair vítimas. Ao todo, foram 14,2 milhões de acessos e compartilhamentos ao golpe mais registrado no período, que consistia em convites para participar de um site pornográfico de encontros. Em segundo lugar, supostos temas de futebol para WhatsApp totalizou 13,4 milhões de detecções, seguido do falso convite para participar de grupos no mesmo mensageiro, com 4,2 milhões de acessos. No geral, os links maliciosos induziam o usuário a fornecer dados pessoais, realizar pagamentos a serviços fraudulentos e a conceder permissões de envio de notificações.

Confira a previsão da cibersergurança no Brasil para 2019 no botão abaixo.

ACESSAR AS PREVISÕES PARA 2019
ATAQUES VIA LINKS MALICIOSOS
59
/MINUTO
35,6
mil
/hora
85,6
mil
/dia
31
/USUÁRIO ANDROID
60,4
MILHÕES
De usuários Android foram potencialmente
vítimas de links maliciosos no Brasil em 2018*
PRINCIPAIS PLATAFORMAS DE DISSEMINAÇÃO
WHATSAPP
64,1%
NAVEGADORES
29,4%
SMS
5,6%
CATEGORIAS DE ATAQUES VIA LINKS MALICIOSOS
29,9
MILHÕES
De usuários Android foram potencialmente vítimas de Phishing via app de mensagens no Brasil em 2018*
Phishing via app de mensagens
49,6%
Publicidade suspeita
13,7%
Notícias falsas
11,7%
Phishing de premiação falsa
8,2%
Phishing bancário
6,9%
Golpe do SMS pago
5,5%
Outros**
4,5%
NÚMERO DE DETECÇÕES POR GÊNERO
75,0%
25,0%
DETECÇÕES DE LINKS MALICIOSOS ENTRE HOMENS É TRÊS VEZES MAIOR QUE MULHERES EM 2018
74,7%
25,3%
HOMENS RECEBERAM E ACESSARAM MAIS PHISHING VIA APP DE MENSAGENS EM 2018
72,3%
27,7%
HOMENS RECEBERAM E ACESSARAM MAIS PUBLICIDADES SUSPEITAS EM 2018
78,9%
21,1%
HOMENS RECEBERAM E ACESSARAM MAIS NOTÍCIAS FALSAS EM 2018
75,0%
25,0%
HOMENS RECEBERAM E ACESSARAM MAIS PHISHING DE PREMIAÇÕES FALSAS EM 2018
76,0%
24,0%
HOMENS RECEBERAM E ACESSARAM MAIS PHISHING BANCÁRIOS EM 2018
75,5%
24,5%
HOMENS RECEBERAM E ACESSARAM MAIS GOLPES DO SMS PAGO EM 2018
GOLPES MAIS POPULARES
Acesso a conteúdo adulto
O usuário é convidado a acessar um site pornográfico de suspostos encontros. No fim, ele é induzido a fornecer dados pessoais, como e-mail, senhas e endereço.
14,2 milhões de acessos e compartilhamentos
Tema de futebol para WhatsApp
O usuário é induzido a compartilhar o golpe com dez contatos, além de realizar o pagamento de uma assinatura para ter acesso ao falso benefício.
13,4 milhões de acessos e compartilhamentos
Convite para grupo de WhatsApp
O usuário é induzido a conceder permissões de envio de notificações e, posteriormente, direcionado a outros golpes.
4,2 milhões de acessos e compartilhamentos