rp_ballmer-elope-executivos-nokia-microsft-windows-Phone_2014-04-25.jpg

Agora é oficial! Microsoft é dona dos celulares Nokia

Em setembro passado, a Microsoft anunciou a compra da divisão de Dispositivos e Serviços da Nokia. O acordo aconteceu após um tempo considerável de parceira que ajudou a […]

Ballmer e Elope, executivos, representantes das duas empresas

Em setembro passado, a Microsoft anunciou a compra da divisão de Dispositivos e Serviços da Nokia. O acordo aconteceu após um tempo considerável de parceira que ajudou a salvar a linha de celulares da empresa, ao associar o Windows Phone com os aparelhos da fabricante finlandesa.

Lógico que uma aquisição deste porte com cifras próximas dos US$ 7 bilhões não ocorre da noite por dia.  Ainda mais, em um acordo onde a Microsoft se comprometeu a anexar a equipe de design, marketing e suporte, além da cartela de dispositivos e todas as fábricas da companhia ao redor do mundo (sendo que uma na Índia vai atender a Microsoft, e outra na Coréia do Sul, será fechada).

Em nota oficial, o diretor-executivo da Microsoft, Satya Nadella, destacou que a compra da Nokia significa um importante passo para uma transformação na empresa. Com foco na mobilidade do seu sistema. “Hoje damos boas vindas a Nokia à nossa família. Suas capacidades móveis vão ajudar a avançar a nossa transformação. Junto com nossos parceiros, nós seguimos focados em desenvolver inovações mais rápido para um mundo móvel e na nuvem”, disse.

Com isso, pelo menos quatro executivos da Nokia deixaram seus cargos para ocupar cadeiras na Microsoft. Assim, a “nova Nokia”, agora, corresponde somente três áreas: Nokia Solutions & Networks, que instala redes de celular 2G/3G/4G pelo mundo; o HERE Maps; e as patentes.

Até o momento, poucas mudanças devem de fato ocorrer. A empresa continua dando suporte aos seus clientes, dos smartphones top de linhas aos aparelhos mais baixos. Em agosto deve ocorrer o lançamento do Windows Phone 8.1, e junto, os primeiros celulares da “nova Nokia”. Ainda não há informações sobre os celulares com Android, se de fato vão ao mercado ou se o projeto deve ser descontinuado internamente.