rp_fone-de-ouvido_2014-12-05-20-44-43.jpg

Dicas para escolher um bom fone de ouvido

Confira essa série de dicas muito boas para escolher um bom fone de ouvido e não perca um minuto das suas músicas.

Os fones de ouvido viraram muito mais do que meros coadjuvantes na hora de escutar músicas. Hoje eles fazem parte da moda e são vendidos até mesmo como artigos de luxo. Mas, será que por trás de cores extravagantes e do preço alto eles são realmente bons? Entre milhões de opções no mercado, saiba como definir qual fone comprar de acordo com o seu perfil.

O primeiro quesito que deve ser levado em consideração na hora de escolher um fone é o ambiente em que ele deve ser usado. Se você for utilizar os fones apenas em locais fechados, como em casa no computador, a melhor opção são os fones do tipo Over-Ear, aqueles que envolvem completamente a orelha. Já se você pretende usar em ambientes externos, a melhor opção passa a ser um In-Ear (ou intra-auricular), pela praticidade e discrição que eles proporcionam.

Ao falar dos diferentes tipos de fone temos ainda os On-The-Ear, que ficam sobre a orelha, e os Earbuds, pequenos, mas que não entram no canal auditivo com os In-Ear. Entre os tipos que envolvem toda a orelha temos ainda os abertos – possuem a concha do alto-falante com uma tela ou grade que permite o som vazar, muito utilizado por fones top e indicado para ambientes internos – e os fechados, que isolam completamente o som.

Definido o estilo de fone que você deseja, a segunda etapa é escolher até que faixa de preço você está disposto a investir. Para Leonardo Drummond, autor do blog Mind The Headphone, é possível encontrar fones de qualidade mesmo sem gastar uma fortuna.

"Recentemente testei um fone In-Ear de menos de R$ 30 que me surpreendeu", lembra. "A diferença entre fones de R$ 30 a R$ 300 é muito superior se comparado aos de R$ 300 a R$ 1 mil", diz ao comparar as sutilezas perceptíveis no áudio entre as faixas de preço.

Outros fatores ainda precisam ser considerados, como o equipamento a ser utilizado. Não adianta investir alto em um fone top de linha se o reprodutor de áudio também não for bom. Se isso acontecer, para não ocorrer gargalo, será necessário investir em outros equipamentos como amplificadores e DACs.

Informações técnicas

Tamanho do driver, RMS, PMPO? Esqueça todas essas especificações, muitas vezes, supervalorizadas na caixa do fone. "Na prática, essas informações não vão dizer quase nada no que diz respeito à qualidade sonora", diz Drummond.

No entanto, alguns dados precisam ser compreendidos, como a impedância e a sensibilidade. A Impedância, medidas em Ohm, diz respeito à resistência que o fone tem em relação aos impulsos elétricos. Já a sensibilidade, medidas em dB SPL/mW, é referente ao volume suportado.

Uma especificação importante que a maioria dos fabricantes de fones oculta é o Gráfico de Resposta de Frequência. Nele, é possível visualizar até que faixa o fone trabalha nos graves, médios e agudos.

O gráfico a seguir mostra a frequência que diferentes instrumentos utilizam.

 

Como escolher

Para Drummond, a melhor forma de não se arrepender na compra um fone é escolher marcas com qualidade reconhecida, como Sennheiser, Beyerdynamic, AKG e Grado, entre as tops de linha, e Philps e Superlux, entre as mais acessíveis.

Também deve ser levado em consideração que os fones reagem de diferentes formas a cada música, por isso, é importante pesquisar em sites e fóruns especilializados antes de concretizar a compra.

"O que conta é como ele [o fone] soa para os estilos musicais que você ouve", conclui.

Indicações

In-Ear: Philips SHE 3590, Shure SE215, Westone W40.

Over-the-Ear: Sennheiser HD201, Philips Citiscape Downtown, Audio-Technica ATH-M50, Sennheiser HD650.