appstore_head

Apple confirma aplicativos maliciosos dentro da App Store

Cerca de 40 aplicativos estão infectados pelo malware, podendo afetar milhões de usuários do sistema IOS (Apple).

‘Não existe vírus para Iphone’. Esta frase, citada por muitos fãs do sistema IOS para justificar a segurança de seu dispositivo, ‘caiu por terra’ neste domingo. A Apple confirmou que uma ferramenta usada por desenvolvedores de softwares foi copiada e modificada por hackers para inserir um ‘código malicioso’ em apps disponíveis na App Store. Segundo pesquisadores da Palo Alto Networks, empresa de segurança on-line, cerca de 40 aplicativos estão com o ‘malware’, podendo afetar milhões de usuários do sistema.

 Veja também: Falha de segurança da Apple pode deixar você vulnerável

A lista de apps infectados incluem aplicativos muito populares na China, como o ‘Didi Kuaidi’, e outros mundialmente conhecidos, como o ‘WeChat’ (com cerca de 500 milhões de usuários). A empresa de segurança online Chinesa Qihoo360, afirma que encontrou mais de 300 aplicativos infectados.

Ao baixar os aplicativos infectados, o código malicioso pode abrir sites que ‘contaminarão’ o dispositivo móvel com ‘malwares’. O código também abrirá ‘pop-ups’ pedindo senhas e informações do ID Apple dos usuários.

Os ataques dos ‘hackers’ foram feitos em uma ferramenta chamada Xcode, usada para desenvolver aplicativos. As versões infectadas da ferramenta foram encontradas em um serviço de hospedagem em nuvem da empresa chinesa Baidu. Após ser avisada que hospedava ferramentas contaminadas, o Baidu tirou do ar as versões contaminadas do Xcode. Segundo a Apple,  as versões infectadas da ferramenta estavam disponíveis apenas para os desenvolvedores que tinham desativado as informações de segurança da empresa.

Segundo Christine Monaghan, porta-voz da Apple, a empresa está removendo todos os aplicativos que foram criados com o software falsificado. Ainda não se sabe quantas pessoas foram atingidas pelo ‘malware’.  O ‘malware’ foi descoberto na semana passada, dentro do aplicativo Weibo, versão chinesa do microblog Twitter.