rp_seguranca-dados_2014-06-13.jpg

Empresas investem em segurança contra roubo de dados de clientes

A segurança das informações pessoais de clientes é a grande preocupação das empresas hoje. Isso faz com que elas invistam ainda mais na área de T.I

A quantidade de roubos de dados de clientes por hackers está fazendo com que empresas de todo o mundo elevem consideravelmente seus níveis de segurança na internet. O grande desafio, entretanto, é se manter protegido dos ataques, que estão sempre se reinventando.

Especialistas em segurança cibernética dizem que até mesmo as maiores empresas não estão livres de terem seu sistema violado, independente do investimento em proteção.  Uma das melhores alternativas tem sido reduzir ou criptografar dados tão bem que, em caso de roubo, eles serão inúteis.

É curioso notar que até poucos anos atrás a principal preocupação com a segurança era evitar a perda ou roubo de discos físicos ou unidades com as informações do cliente. Agora, os roubos online são abundantes e difíceis de serem controlados.

Empresas investem em proteção de dados de clientes

A agência Reuters mostrou, em série recente de reportagens, que as empresas que estão gastando bilhões na contratação de especialistas que possam proteger seus sistemas. Algumas companhias contratam ex-agentes da NSA, dos Estados Unidos, e da GCHQ, o serviço de inteligência britânico. Mas, as recentes revelações de monitoramento cibernético praticado pela agência norte-americana têm deixado os empresários com o pé atrás.

Um relatório da Cyber ??Security, do Instituto Ponemon, revelou que o custo médio de investimento contra violação de dados cresceu 15% no ano passado, e que a probabilidade de uma empresa ter seu sistema violado ao longo de um período de dois anos é de 22%.

Uma das maiores violações de sistema conhecida até hoje foi a perda de dados e senhas de cerca de 145 milhões de clientes do eBay. Até agora não ficou claro como os hackers conseguiram fazer esta invasão.

Com esse perigo constante, as empresas estão tomando cada vez mais cuidado. E o trabalho também inclui conscientizar os clientes a trocarem suas senhas regularmente, por exemplo. Isso porque, até que a invasão seja descoberta, muita coisa já foi perdida. Um estudo que envolveu 102 instituições financeiras no Reino Unido, no início deste ano, mostrou que 40% delas precisam de dois a três dias para detectar uma invasão.

O relatório da britânica BAE Systems Intelligence Applied informou que a perda de dados de clientes tem sido de longe a maior preocupação de segurança em TI para as empresas dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Grã-Bretanha. Ela superava significativamente preocupações sobre segredos comerciais perdidos e interrupção do serviço.

Os bancos têm estado à frente quando se trata de reforçar a segurança e sofreram menos do que os varejistas nos últimos meses. Um número crescente de empresas está usando o operador de pagamentos online PayPal, em vez de pegar para si os números de cartão de crédito dos clientes, reduzindo a quantidade de dados que possui.

Mas, como os próprios especialistas alertam, não é apenas a empresa que deve proteger os dados. Os clientes precisam tomar cuidados básicos, como trocar a senha regularmente e manter antivírus e navegadores atualizados.