O que é trojan

Entenda o que é Trojan ou Cavalo de Troia

Programa "abre" o celular para outros vírus e ameaças. Quer saber como proteger seu celular? Confira aqui!

Eles são conhecidos por responder pelo primeiro estágio de infecção de dispositivos digitais e têm como objetivo manter-se ocultos enquanto baixam e instalam ameaças mais robustas em dispositivos. Entenda aqui o que é  Trojan (também conhecido como Cavalo de Troia), como ele ataca e proteja agora seu celular.

Como os trojans atacam seu celular

Ao contrário dos vírus e worms, os trojans (cavalos de troia) não se propagam sozinhos; ele podem vir em arquivos de música, mensagens de e-mail, escondidos em downloads e sites maliciosos, que se aproveitam de vulnerabilidades do navegador utilizado para instalar a praga no aparelho.

É um programa malicioso baixado pela vítima se passando por um software legítimo, que tem como função abrir portas e brechas para a entrada de outros malwares – por isso o nome sugestivo relacionado à Guerra de Troia.

Os cavalos de troia vêm acompanhados de backdoors e ladrões de senhas e não precisam infectar outros programas, por isso, são de difícil detecção. Eles circulam na internet como programas úteis ao usuário ou através de mensagens de e-mail que procuram usar da curiosidade dos internautas, levando-os a baixar anexos maliciosos.

O que é trojan

O que os trojans podem fazer

  • Acesso remoto (ou backdoors): permitem conexão remota ao equipamento infectado
  • Registro de informações digitadas e roubo de senhas
  • Roubo de informações do sistema

Como proteger seu celular

Ser vítima de um trojan pode assustar, mas com proteção de um antivírus é possível bloquear esse tipo de ameaça.

De acordo com a equipe do DFNDR Lablaboratório de segurança especializado no combate ao cibercrime – além de manter um antivírus no aparelho, o usuário deve optar por baixar apps e outros arquivos apenas de sites e servidores confiáveis e oficiais, evitando blogs de download ilegais e torrents, por exemplo.

A equipe recomenda, ainda, que o usuário sempre desconfie de  links e anexos enviados por e-mails ou em grupos de WhatsApp, mesmo que a mensagem venha de um amigo ou contato confiável.

*Atualizado em 06 de setembro de 2017