Brasileiros acessaram fake news mais de 2.9 milhões de vezes entre janeiro e março de 2018

Segundo o Relatório da Segurança Digital no Brasil, produzido pelo dfndr lab, o número de acessos a fake news cresceu 11.97% em relação ao período anterior.

Entre janeiro e março deste ano, fake news foram acessadas mais de 2.9 milhões de vezes no Brasil. O dado é do 3º Relatório da Segurança Digital no Brasil – divulgado esta semana pelo dfndr lab, laboratório de segurança da PSafe. A projeção do laboratório, com base no número total de usuários de smartphones no País, é que o número de pessoas impactadas por notícias falsas seja ainda maior: 8,8 milhões de brasileiros.

Segundo o estudo, as fake news alcançaram pela primeira vez a terceira posição entre as categorias de links maliciosos mais detectadas – com um aumento de 11.97% no total de detecções em comparação com os últimos três meses de 2017.

95,7% das fake news foram disseminadas via WhatsApp

O WhatsApp foi o principal meio utilizado para a divulgação de conteúdo falsos. Somente no primeiro trimestre de 2018, 95,7% das notícias falsas detectadas circularam no mensageiro.  De acordo com Eugênio Bucci, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), o fator humano é o que faz toda diferença na velocidade e no volume de transmissão das fake news.

“A notícia fraudulenta entra pela porta da comunicação, interpela o consumidor. Se o sujeito está carregado por ódio e algo dá base para sua razão, ele vai passar a informação para frente. É um processo do prazer, não da razão. O fator humano é crucial”,  completa Bucci.

Fake news são um negócio lucrativo para cibercriminosos

As fake news são conteúdos sensacionalistas e mentirosos produzidos por cibercriminosos com o objetivo de lucrar indevidamente a partir de visualizações, acessos e cliques em anúncios nas páginas. Quanto mais usuários impactados, maior a remuneração. Dessa forma, as abordagens geralmente abusam de tons de alerta e temas que instigam a curiosidade e atenção das pessoas para alcançar o máximo de audiência – e dinheiro – possíveis.

fake-news-mais-detectada-dfndr-lab
Manchete da notícia falsa com maior número de acessos (1.1 milhão)
“No caso dos golpes via Notícias falsas, eles também usam a credibilidade e a popularidade de veículos de comunicação, empresas e personalidades da mídia, sem o conhecimento ou autorização destes”, aponta Emilio Simoni, Diretor do dfndr lab, no Relatório da Segurança Digital no Brasil.

3 em cada 4 acessos a fake news vieram do Sudeste e Nordeste

O estudo também aponta que as regiões Sudeste e Nordeste do Brasil concentraram mais de 75% do total de acessos a fake news detectados pelo dfndr lab no trimestre.  Em seguida, estão as regiões Norte (10%), Sul (8%) e Centro-Oeste (7%). Além disso, mais de 55% de todas as fake news bloqueadas ficaram concentradas em cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Pernambuco.

 

Estados com maior número de acessos
São Paulo 597.367
Rio de Janeiro 383.505
Minas Gerais 276.137
Bahia 247.197
Pernambuco 145.211

 

“O fato de as notícias falsas dependerem de uma geração de escala relevante – atingindo um número de pessoas elevado em um curto período – favorece sua proliferação em centros com grandes populações”, explica Simoni, diretor do dfndr lab.

Como identificar uma fake news

Geralmente, as notícias falsas possuem características e estrutura de texto parecidas, que podem ajudar a reconhecer que o conteúdo é falso. Desta forma, verificar a existência desses pontos-chaves pode ajudar a evitar o compartilhamento de uma fake news. O Relatório da Segurança Digital no Brasil sinalizou alguns deles:

fake-news-dfndr-lab-como-detectar
Reprodução (Relatório da Segurança Digital no Brasil)

Como se proteger contra fake news

1) Tenha o hábito de duvidar das informações compartilhadas na internet, principalmente quando se tratar de temas polêmicos e alarmistas. Procure checar se a informação já foi publicada em algum site de imprensa ou marca confiável. Esse processo deve ser feito não só com notícias, como também promoções e oportunidades que encontram pela internet;

2) Tenha instalada uma solução de segurança que alerta sobre links maliciosos. A função Bloqueio de Hackers do dfndr security, aplicativo de segurança gratuito, é capaz de detectar e avisar sobre páginas ou sites perigosos. Assim que você recebe um link malicioso, ele envia um alerta igual ao da imagem abaixo:

dfndr-security-bloqueio-de-hackers
Clique aqui para instalar o dfndr security no seu celular.

3) Na dúvida, também é possível usar a ferramenta de verificação de páginas do dfndr lab, no site www.psafe.com/dfndr-lab/pt-br/. Basta colar o link da página suspeita que a plataforma gratuita sinaliza se isso representa algum perigo ou não.

PUBLICIDADE

acelere-seu-android-instale-dfndr-security