Celular corporativo é mais seguro?

Saiba mais sobre os perigos do uso do celular pessoal e corporativo para trabalhar e qual a melhor opção para se proteger contra vazamentos de dados

Desde o início da pandemia, quando muitas empresas adotaram o trabalho remoto, o hábito de acessar dados corporativos a partir de dispositivos pessoais têm ganhado cada vez mais adeptos. Mas será que essa prática põe em risco a segurança de seus dados?

Um levantamento do dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, identificou um alto índice de vazamento de dados corporativos. Na base de registros do laboratório já constam mais de 15 bilhões de credenciais vazadas (dados de e-mails e senhas), sendo mais de 9.4 bilhões de registros vazados em 2020. Mas então, dentre as opções celular pessoal e celular corporativo, qual seria o mais indicado para as empresas recomendarem a seus colaboradores e conseguirem evitar um vazamento de dados? Descubra agora.

 

Celular pessoal versus celular corporativo

Marco DeMello, CEO e fundador da PSafe, explica os riscos de utilizar um celular pessoal para acessar informações corporativas: “esse hábito facilita muito a ação de cibercriminosos, porque no seu celular pessoal você acessa sites e baixa aplicativos para seu uso diário e para seu entretenimento. Esses próprios apps, aparentemente inofensivos, podem pedir permissões que colocam em risco suas informações empresariais, bem como links maliciosos podem esconder golpes de phishing e roubar dados sigilosos”. DeMello pontua ainda que optar pelo uso de um celular corporativo pode reduzir consideravelmente os riscos de vazamentos, sim, mas não é o suficiente para se proteger contra os vazamentos: “não adianta utilizar um dispositivo corporativo e sem uma proteção digital. A maioria dos golpes é sorrateira, e normalmente só são detectados pelas vítimas depois que o estrago já está feito. Para evitar as dores de cabeça, o ideal é sempre se prevenir”.

Outra dica de proteção do CEO é a criação de uma política BYOD (“Bring Your Own Device”, em tradução livre do inglês), que consiste em estabelecer medidas para orientar os colaboradores sobre formas seguras de usar os dispositivos pessoais para trabalhar. “Cada empresa vai planejar a melhor forma de implementar essa prática, o importante é que sejam instruções claras e baseadas em medidas de segurança, como por exemplo informar aos colaboradores para não utilizar seu e-mail de trabalho em serviços de interesse pessoal, trocar suas senhas de tempos em tempos e evitarem utilizar redes Wi-Fi abertas ou sem senha. São ações aparentemente simples, mas que vão proteger a segurança dos dados pessoais e corporativos”, finaliza DeMello.

 

Como saber se minha empresa corre riscos de vazamento de dados?

Uma maneira prática e rápida para descobrir se sua empresa corre riscos de ter seus dados vazados é utilizando a Calculadora de Riscos para Vazamentos de Dados Empresariais, uma avaliação de riscos desenvolvida por especialistas de cibersegurança da PSafe. A ferramenta é gratuita e analisa as respostas sobre hábitos, dispositivos, softwares, políticas e estrutura das equipes de sua empresa. 

A Calculadora de Riscos identifica seu risco de sofrer um vazamento de dados e fornece resultados totalmente personalizados contendo orientações para prevenir e remediar possíveis vulnerabilidades de sua empresa. Acesse a Calculadora de Riscos e faça sua avaliação através deste link: https://bit.ly/Calculadora-De-Risco 

 

Saiba mais sobre a Calculadora de Riscos para Vazamentos de Dados Empresariais:

 

Outras dicas de segurança necessárias ao utilizar o celular para trabalho

Os especialistas do dfndr lab selecionaram outras medidas de proteção que vão ajudar na hora do uso do celular para fins corporativos:

  1. É essencial que as empresas tenham um sistema de segurança instalado para proteger os dados corporativos e pessoais contra vazamentos de dados, como o dfndr enterprise, uma solução desenvolvida pela PSafe capaz identifica vulnerabilidades nos sistemas corporativos em tempo real e monitorar credenciais vazadas dos colaboradores de sua empresa.
  2. Tenha sempre a VPN ativada: ela é uma ferramenta capaz de criptografar os dados compartilhados entre dispositivos, tornando-os seguros enquanto você utiliza a internet. 
  3. Faça a autenticação em dois fatores: este recurso solicita que o usuário use duas formas de confirmação de login. Geralmente a primeira é uma senha definida pela própria pessoa e a segunda pode ser um código de segurança enviado por sms ou email.
  4. Fique atento a sites, e-mails e links com procedência duvidosa, muitos criminosos utilizam como tática a criação de páginas e e-mails falsos (phishing) para induzir o usuário a se cadastrar e informar dados pessoais e bancários, e assim, roubá-los. O dfndr enterprise protege contra golpes de phishing, alertando e bloqueando sempre que um site ou link é malicioso.
  5. Sugira que seus colaboradores alterem regularmente suas senhas de acesso ao e-mail corporativo. Dê instruções de como criar senhas “fortes” e dos perigos de utilizar senhas comuns a outros sites e contas pessoais. Recomende também que não utilizem as mesmas senhas de uso pessoal para contas da empresa. Pois, caso alguma senha acabe vazando, os cibercriminosos podem utilizá-la para tentar invadir a conta corporativa da vítima.