CORONAVÍRUS: fake news sobre pandemia já atingiu mais de 42,5 milhões de brasileiros

Pesquisa realizada pela PSafe revela, ainda, que WhatsApp é a principal plataforma de compartilhamento de notícias falsas sobre Coronavírus, segundo 43,2% dos entrevistados.

Coronavírus é o assunto do momento. E não é para menos. Desde o aparecimento dos primeiros casos da doença, mais de 130 mil pessoas ao redor do mundo foram diagnosticadas pelo vírus. E o número de vítimas não para de aumentar a cada hora. Mas, além do Coronavírus, outro assunto tem preocupado especialistas e o próprio Ministério da Saúde: o surgimento de milhares de fake news sobre a atual pandemia global.

Coronavírus mata. A desinformação também

Segundo notícia veiculada pelo O Globo, 44 pessoas morreram após ingerirem álcool adulterado por acreditarem em notícia falsa sobre uma suposta cura para o coronavírus. O grande número de compartilhamentos de fake news fez com que o Ministério da Saúde criasse um portal especial para desmentir os boatos relacionados à doença. Contudo, tal ação não impediu que a disseminação de notícias falsas continuasse por todo país.

Isso é o que revela uma pesquisa recente realizada pela PSafe, desenvolvedora dos apps dfndr, no qual estima-se que 42,5 milhões de brasileiros já receberam ou acessaram fake news sobre Coronavírus. Ainda segundo a pesquisa, o WhatsApp segue como o principal vetor de disseminação de notícias falsas sobre a pandemia, de acordo com 43,2% dos entrevistados.

A desinformação é tão perigosa quanto pandemia de Coronavírus

A sofisticação das fake news cresce a cada dia que passa. Qualquer tema que gera grande repercussão, volume de cliques e compartilhamentos é utilizado como isca. Diante de um problema de saúde pública de dimensão global, como a pandemia do novo Coronavírus, a desinformação atinge mais pessoas que a própria doença – e pode ter consequências fatais.

Segundo Emilio Simoni, diretor do dfndr lab – laboratório especializado em segurança digital da PSafe – as fake news costumam ter dois objetivos: lucro financeiro, com as publicidades veiculadas nas próprias notícias falsas ou a manipulação da opinião pública, muito comum, por exemplo, em períodos eleitorais.

“Em um ambiente onde milhares de informações são compartilhadas por minuto, se torna extremamente estratégico diferenciar o que é verdadeiro e o que não é. A parcela da população que não possui proximidade com a nova cultura digital e as novas tecnologias, se torna mais vulnerável às notícias falsas, principalmente quando abordam temas alarmistas. Contudo, todas as pessoas, independente da idade, sexo ou grau de instrução estão suscetíveis a cair em fake news. É por isso que os cidadãos, em momentos como este, precisam compartilhar conhecimento sobre estas práticas maliciosas na internet para se protegerem contra a desinformação”, esclarece Simoni.

E é exatamente por isso que diversos portais de notícias já estão se posicionando por meio da remoção de paywall (que é a restrição aos conteúdos veiculados apenas para assinantes dos portais). Assim, toda a população tem a oportunidade de buscar fontes confiáveis para a confirmação das notícias e informações que recebem, uma das medidas principais para não cair em fake news.

Como combater as fake news

  1. Procure informações sobre o novo Coronavírus
    Além de te proteger contra a doença, saber reconhecer os sintomas, como ocorre a contaminação, e como se precaver também impede que você acredite em informações falsas que possam causar pânico ou risco.
  2. Busque fontes confiáveis
    Recebeu um vídeo, áudio, foto ou texto sobre Coronavírus? Antes de compartilhar, procure em veículos confiáveis e fontes oficiais como o Ministério da Saúde, jornais e sites para confirmar se aquilo é realmente verdadeiro. Ainda assim está desconfiado? Não tem erro: aposte em um analisador de links, como o do dfndr lab, que te avisa se um link é perigoso em apenas um clique.
  3. Desconfie de informações sensacionalistas
    Infelizmente, ainda não existe uma cura ou vacina para o Coronavírus. Não existe um remédio específico para a doença, chás milagrosos ou simpatias do tempo da vovó. Por isso, seja crítico e desconfie de qualquer notícia tendenciosa sobre a doença.
  4. Tenha uma solução de segurança que detecte fake news
    A maior parte dos brasileiros acessam a internet e redes sociais por meio do celular. Por isso, os especialistas de segurança recomendam que você tenha uma solução de segurança que detecte notícias falsas instalada no celular, como
    o dfndr security. Ele te envia alertas em tempo real sempre que você acessar ou receber um link de golpe, fake news ou vírus. O recurso é totalmente gratuito e você pode baixar agora aqui.

Instale o dfndr security.Instale o dfndr vault.

PSafe na luta contra o Coronavírus: veja como evitar o contágio

  • Lave suas mãos com água e sabão e reforce a higienização com álcool em gel.
  • Cubra o nariz e a boca com o antebraço ao tossir ou espirrar. Dê preferência ao uso de lenços descartáveis e papel toalha.
  • Evite aglomerações, contato físico e mantenha distância de, pelo menos, 2 metros de estranhos.
  • Mantenha os ambientes bem ventilados e arejados.
  • Não compartilhe objetos pessoais.
  • Tenha uma alimentação saudável e beba bastante água para fortalecer seu sistema imunológico.
  • Está espirrando, com febre, tosse ou dificuldade para respirar?
  • Evite sair de casa e só visite um hospital caso os sintomas piorem.Fonte: Ministério da Saúde

Informação e prevenção são armas de combate ao Coronavírus

Vale lembrar que não há motivos para pânico. Medidas simples, como higiene redobrada e informação são as principais armas para evitarmos que esta pandemia se espalhe ainda mais. A PSafe está acompanhando a todo momento os desdobramentos e consequências do novo Coronavírus. Conte com a gente para te mantermos sempre informados e protegidos. Estamos com você nesta luta!