Proteção de dados pode virar direito fundamental

Empresas devem se preparar para assegurar a segurança e proteção de dados de seus clientes

A Câmara dos Deputados aprovou, no dia 31 de agosto, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 17/19, que inclui a proteção de dados, inclusive em meios digitais, como direito fundamental. Agora, a proposta seguirá para votação no Senado.

Se aprovada, a PEC deve trazer ainda mais responsabilidades para as empresas, uma vez que elas deverão assegurar esse direito, que passará a estar listado ao lado de outros já estabelecidos pela Constituição, tais como igualdade e liberdade. Será mais um marco normativo para a proteção de dados, que já teve importante avanço com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). 

Com isso, as empresas devem se preparar para garantir aos seus clientes proteção e sigilo de seus dados, principalmente em um momento onde os ataques ransomwares, como o que vitimou recentemente uma gigante do varejo brasileiro, têm crescido rapidamente, com a estimativa de 1 ataque a cada 11 segundos no mundo.

“Com o passar dos meses, temos visto que as empresas têm se tornado alvo dos cibercriminosos, tendo em vista o alto valor que as informações contidas em seus bancos de dados possuem”, ressalta o Presidente da CyberLabs e CEO da PSafe, Marco DeMello.

No início deste ano, a PSafe descobriu e alertou para o vazamento de dados de mais de 220 milhões de brasileiros. “O modo como os cibercriminosos mudou muito e eles têm utilizado inteligência artificial [IA] para conseguir entrar nos servidores das empresas, criptografar os dados e, assim, solicitar o resgate. Inclusive o cálculo do valor a ser pago por esse resgate é feito por IA”, explica Marco DeMello.

Então, como fazer para prevenir estes ataques? “Somente a IA pode combater outra IA, por isso, nossa solução, dfndr enterprise, utiliza este método para identificar e bloquear ataques e ameaças. Nossa proteção faz análise comportamental das ameaças, por isso é capaz de detectar em segundos uma tentativa de ataque”, conclui Marco DeMello.

O dfndr enterprise bloqueia automaticamente ataques de ransomware, além de outras ameaças causadoras dos vazamentos de dados, como outros malwares e phishings. Desenvolvida para caber no orçamento de qualquer empresa, inclusive aquelas que não possuem equipe de segurança dedicada, a solução ainda disponibiliza, gratuitamente, o verificador de dados, que identifica, em segundos, se os colaboradores já tiveram logins e senhas vazados.