Brasileiros acessaram 31 ataques virtuais em 2018

Segundo o dfndr lab, 46% de toda população Android no Brasil recebeu, acessou ou compartilhou links maliciosos em 2018

Segundo o Relatório da Segurança Digital no Brasil, produzido pelo dfndr lab – laboratório especializado em segurança digital, estima-se que 46% de toda população Android no Brasil recebeu, acessou ou compartilhou links maliciosos em 2018, o que representa 60,4 milhões de potenciais vítimas em todo país. No total, foram detectados 31 ataques virtuais para cada usuário Android brasileiro no período.

WhatsApp foi o principal meio de disseminação de ataques virtuais

A estratégia mais utilizada por cibercriminosos para disseminar links maliciosos em 2018 foi o Phishing via app de mensagens, correspondendo a 49,6% do número de detecções realizadas. Ao todo, 29,9 milhões de brasileiros foram potenciais vítimas desse tipo de golpe. Já o WhatsApp, por sua vez, continua sendo a principal plataforma de disseminação de ataques. No último ano, o mensageiro representou 64,1% do total de registros realizados pelo dfndr lab, enquanto Navegadores ocuparam a segunda posição com 29,4% e SMS com 5.6%.

Leia mais: 64% dos usuários de Android já receberam conteúdo falso em correntes no WhatsApp

Homens acessaram 3 vezes mais links maliciosos que mulheres

O ano de 2018 também foi marcado pela forte tendência ao direcionamento de golpes para o público masculino. Homens receberam e acessaram links maliciosos três vezes mais que mulheres.

“Cibercriminosos estão sofisticando cada vez mais os ataques para direcioná-los a públicos específicos e, consequentemente, atrair mais vítimas para as armadilhas. Percebemos um aumento significativo de golpes que utilizavam temas relacionados a conteúdo adulto em 2018. Como resultado, registramos que 75% dos homens brasileiros receberam ou acessaram links maliciosos contra 25% das mulheres”, comenta Emilio Simoni, Diretor do dfndr lab.

Golpes mais populares em 2018

Entre os três ciberataques mais populares no período, dois usavam temas de conteúdo adulto para atrair vítimas. Ao todo, foram 14,2 milhões de acessos e compartilhamentos ao golpe mais registrado em 2018, que consistia em convites para participar de um site pornográfico de encontros. No geral, os links maliciosos induziam o usuário a fornecer dados pessoais, realizar pagamentos a serviços fraudulentos e a conceder permissões de envio de notificações.

Leia mais: Engenharia social é o método mais usado por hackers para enganar pessoas

Como se proteger de ataques virtuais

Os especialistas em segurança do dfndr lab listaram três dicas importantes para se proteger de links maliciosos:

1- Mantenha um bom antivírus instalado no seu celular. O dfndr security, por exemplo, é o único aplicativo de segurança que oferece proteção em tempo real contra ataques dentro do WhatsApp, Messenger, SMS e Navegadores. Com a função Bloqueio de Hackers ativada, sempre que você receber ou acessar um link malicioso, será enviado um alerta ao seu celular para impedir qualquer tentativa de golpe ou roubo de dados. Você pode baixar o dfndr security grátis aqui.

Instale o dfndr security.

2- Sempre desconfie de grandes descontos, ofertas muito abaixo do valor de mercado e vagas de emprego, principalmente se forem compartilhados em mensageiros, como o WhatsApp. Procure conferir as informações nos sites oficiais das marcas.

3- Não toque em links sem verificar se estes são seguros. Na dúvida, utilize a análise de links do dfndr lab, que verifica se um link é perigoso ou não em poucos segundos. O serviço é gratuito e pode ser acessado pelo Android, iOS ou computador.

PUBLICIDADE
Proteção em segundos. Instale o dfndr security.