Golpe do emprego falso cresce 174% entre janeiro e outubro de 2019

Quando comparado com o mesmo período do ano passado, o número de detecção do golpe de emprego falso saltou de 861.962 para 2.368.296.

Entre janeiro e outubro deste ano, o dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital, registrou um expressivo aumento de 174% no número de golpes que ofertam vagas de emprego falsas como isca. Quando comparado com o mesmo período do ano passado, o golpe do emprego saltou de 861.962 para 2.368.296 de registros. Por mês, o dfndr lab detecta, em média, 10 novos links deste tipo de ataque.

Ataque lucrativo para cibercriminosos

Disseminado principalmente pelo WhatsApp e redes sociais, o golpe do emprego falso visa roubar dados pessoais e credenciais de acesso de redes sociais das vítimas. Segundo o Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, a atual situação do país, com elevadas taxas de desemprego, criaram um cenário favorável para que os cibercriminosos investissem nesse tipo de ataque.

“O grande diferencial deste ataque é que, ao ter acesso às credenciais de redes sociais do usuário, como login e senha, o golpista pode se passar por ele para espalhar outros golpes entre seus contatos, além de criar lives e publicações patrocinadas para aumentar a viralização do link malicioso. É comum também que o cibercriminoso utilize dados pessoais da vítima para fraudes financeiras, como solicitar empréstimos indevidos, fazer compras e até abrir empresas falsas”, explica Simoni.

Leia mais: 1 em cada 5 brasileiros já foi vítima de roubo de identidade na internet

Como o golpe do emprego funciona

A vaga de emprego falsa é divulgada por meio de links quase idênticos ao de marcas famosas, geralmente com a alteração de um ou dois caracteres. Ao tocar no link, o usuário é incentivado a responder uma pesquisa para concluir o suposto cadastro e, posteriormente, compartilhar o ataque com seus contatos no WhatsApp. Depois do compartilhamento, o usuário é direcionado para uma página falsa, onde ele pode ser induzido a informar suas credenciais de acesso de redes sociais ou informações pessoais, como nome completo e CPF.

Segundo Simoni, a tendência é que nos próximos meses esses golpes se intensifiquem, principalmente com a aproximação do Natal, já que nesta época do ano há uma grande oferta de empregos temporários. Por isso, os usuários precisam redobrar a atenção com links de supostas oportunidades de emprego divulgados pela internet.

Leia mais: 8,5 milhões de brasileiros já tiveram o WhatsApp clonado

Como se proteger

Ainda de acordo com Simoni, alguns cuidados simples são essenciais para que você não caia em golpes como este:

  •  Não compartilhe links que você não conhece a procedência em redes sociais ou WhatsApp.
  •  Na dúvida, verifique se o link é verdadeiro nos sites oficiais das marcas. É possível realizar esta checagem gratuita no site do dfndr lab, que te diz em poucos segundos se um link é verdadeiro ou não.
  • Fique atento a promessas muito vantajosas, preços muito abaixo do valor original e até oportunidades de emprego compartilhado via redes sociais, pois há grande probabilidade de serem um golpe.
  • Mantenha um bom sistema de segurança instalado no celular. O dfndr security, por exemplo, é o único app de segurança do mercado que oferece proteção em tempo real contra ataques no WhatsApp, Messenger, Navegadores e SMS, te enviando alertas sempre que você receber ou acessar um link de golpe. Você pode baixar grátis o dfndr security aqui.

Instale o dfndr security.Instale o dfndr vault.
 

 

PUBLICIDADE

Proteção em segundos. Instale o dfndr security.