8,5 milhões de brasileiros já tiveram o WhatsApp clonado

Diariamente, 23 pessoas têm seu WhatsApp clonado no Brasil, segundo pesquisa realizada pela PSafe. Saiba como se proteger.

Não restam mais dúvidas: o WhatsApp é o app mais usado no mundo todo. E com o tempo, toda essa fama também atraiu a atenção dos cibercriminosos que, a todo momento, criam ataques ou inventam maneiras para ganhar algum tipo de vantagem com o mensageiro. Apesar de não ser uma prática inédita, uma modalidade de golpe ganhou destaque no Brasil este ano: a clonagem de WhatsApp. Uma pesquisa¹ recente realizada pela PSafe, desenvolvedora dos aplicativos dfndr, revelou que 8,5 milhões² de brasileiros já tiveram o WhatsApp clonado, o que representa 23 novas vítimas desta modalidade de golpe diariamente em todo o país.

Ainda segundo a pesquisa, 26,7% dos entrevistados apontaram o vazamento de conversas privadas como o principal prejuízo da clonagem de WhatsApp, seguido de envio de links com golpes para outros contatos (26,6%); solicitações de dinheiro aos amigos (18,2%), perda da conta do WhatsApp (18,0%); e chantagem (10,5%).

WhatsApp clonado: como funciona o golpe?

Em 2019, inúmeros relatos de usuários que tiveram seu WhatsApp clonado por cibercriminosos foram divulgados. E não é à toa. Entre os meses de janeiro e junho deste ano, o dfndr lab – laboratório especializado em segurança digital – registrou mais de 134 mil tentativas de roubo de WhatsApp só no Brasil. O diretor do laboratório, Emilio Simoni, explica o passo a passo do golpe:

“Para clonar uma conta de WhatsApp, o cibercriminoso cadastra indevidamente o número de telefone do usuário em outro dispositivo e, após esse processo, um SMS contendo um código de liberação de acesso é enviado ao celular da vítima. Depois, ela é induzida a fornecer esse código ao hacker e, em seguida, a sua conta de WhatsApp é bloqueada”, relata Simoni.

Principais prejuízos para as vítimas de WhatsApp roubado

Ao ter livre acesso ao seu WhatsApp, o hacker pode se passar por você para aplicar golpes em seus amigos e familiares. É bastante comum que o cibercriminoso faça solicitações de empréstimos, envie links com outros golpes para os seus contatos registrados no mensageiro e, também, use o conteúdo privado das suas mensagens para, posteriormente, fazer chantagens em troca de dinheiro.

Por isso, Simoni alerta que o usuário jamais deve informar o código de liberação de acesso do WhatsApp que ele recebe para terceiros. Além disso, é recomendável ativar a autenticação de dois fatores, disponível no próprio WhatsApp, para aumentar a segurança da conta. Para ativar, abra seu WhatsApp e toque em Configurações > Contas > Confirmação em duas etapas.

Não seja o próximo

Diante do crescimento deste tipo de golpe, o aplicativo de segurança para Android dfndr security acaba de lançar o recurso de alerta de roubo de WhatsApp, que te envia alertas pelo celular sempre que uma nova tentativa de acesso ao seu WhatsApp for detectada. E caso você não tenha solicitado a confirmação da sua conta no mensageiro, a ferramenta também traz recomendações de segurança sobre o que fazer para resolver o problema. O novo recurso é totalmente gratuito e já se encontra disponível para todos os usuários do dfndr security.

Importante

Se você já é um usuário do dfndr security, atualize o seu aplicativo na Play Store para conferir o novo recurso disponível. Caso você ainda não tenha o dfndr security instalado, basta tocar no botão abaixo para baixar totalmente grátis. Toque aqui para ver a pesquisa na íntegra. 

Instale o dfndr security.
 

¹Pesquisa online realizada com 12.680 mil usuários brasileiros do aplicativo dfndr security entre 31 de julho e 13 de agosto de 2019.
²Projeção baseada na atual população de 131,1 milhões de pessoas com Android no Brasil.